Como ser um freelancer é, atualmente, dúvida de muitos. Trabalhar mais livremente é uma decisão importante na vida do profissional com poder de iniciativa. Aliás, é tão importante que virou tendência, especialmente no âmbito de atividades virtuais.

A ideia é antiga, mas os mecanismos de fortalecimento desse conceito são atuais. Acompanhe aqui nossas dicas de como ser um freelancer.

Como ser um freelancer de sucesso: um universo de independência

Tais dicas são baseadas na experiência de gente que, como você, um dia quis virar a esquina da independência. Mais do que freelancer, você vai saber como ser um freelancer de sucesso.

O que é e o que faz um freelancer?

O termo é antigo; nasceu ainda na época medieval, o que causa grande surpresa à maioria dos próprios freelancers. Se o termo for traduzido livremente, chega-se a lanceiro livre. Ou seja: eram guerreiros de arco e flecha que se apresentavam a reis e nobres em geral para lutar em guerras das mais diversas. Serviam a quem pagasse mais. Por ser livre, o arqueiro se oferecia a quem ele próprio quisesse, se quisesse e quando quisesse.

A metáfora é interessante. Um freelancer é o profissional que oferece seus serviços a quantos necessitem deles – empresas ou indivíduos -, mas com liberdade suficiente para decidir se aceita ou não as condições e sem qualquer vínculo empregatício. Às vezes, nem mesmo contratual.

Como ser um freelancer é, então, meta de profissionais que buscam exercer o sentido de liberdade também em atividades remuneradas. Neste sentido, freelancer é um empreendedor, mas um empreendedor diferenciado, que não segue regras limitadoras nem mecanismos corporativos ferrenhos.

É um profissional livre no universo de amarras que o corporativismo impõe com seus regimentos comportamentais. Olhando por essa aresta, imagina-se: então, um freelancer não segue regras nem é comandado?

Como funciona o trabalho freelancer

Não é bem assim. O freelancer segue as regras do “contratante” e faz o que lhe é solicitado. A grande diferença do freelancer para outros profissionais, de fato, contratados, é que eles podem trabalhar quando quiserem, desde que cumpram o prazo de execução das atividades.

1 – Um freelancer sem regras está fadado ao fracasso

Além dos acordos pré-estabelecidos entre o “contratante” e os freelancers, eles possuem as suas próprias regras. Afinal, boa parte deles se aventurou no mundo da independência justamente por discordar de determinadas normas corporativas (financeiras, comportamentais, mercadológicas, etc.)

2 – Um freelancer não tem vínculos empregatícios

O profissional freelancer não trabalha sob regime contratual oficial por CLT ou outras formas. Isto significa que não está amparado por leis trabalhistas no sentido oficial.

Sem vínculos, sem amarras, sem presas…

Há fracos rumores sobre projetos que transitam no Congresso que tratam do assunto. Não é de todo improvável que se tenham novidades em alguns anos.

3 – Um freelancer não tem horários nem dias de trabalho monitorados

Não externamente, pelo menos. Mas esse é o pensamento de um freelancer inexperiente, pois grandes empresas dispõem de instrumentos para acompanhar o trabalho terceirizado a distância. O profissional freelancer experiente, responsável e consciente da importância de sua hombridade automonitora seu tempo e sabe que, mais do que qualquer outra forma de trabalho, depende exclusivamente de seu desempenho.

4 – Um freelancer precisa de contatos

Muitos. Quanto mais, melhor. Contudo, são contatos, não exatamente clientes. Esse profissional precisa descobrir rapidamente o equilíbrio entre quantidade de clientes/atividades e sua capacidade de atendê-los a contento. Uma boa estratégia é manter contato constante com potenciais clientes, mesmo que não desenvolva atividades para eles.

O início da carreira do freelancer

Começar atividades freelancers é sonho de muitos – alguns analistas de RH dizem que é de todos -, mas é prática para poucos. Ainda!

Todo início é difícil; o da carreira livre de amarras é ainda mais

Os EUA e a Índia são os países que lideram o ranking de profissionais freelancers; no Brasil, essa atividade econômica está em franca evolução. Apesar de pesquisas recentes resultarem em dados estimulantes (está em rápido crescimento), o número de freelancers que vivem exclusivamente por si não é grande.

Pesquisa da Business Insider, uma das maiores divulgadoras de notícias do mundo corporativo, indica que foi gasto meio bilhão de dólares em contratação de freelancers somente por empresas americanas em 2014. “O crescimento é um indicador claro de busca por trabalho remoto”, informa Fabio Rosati, CEO da Elance-oDesk. Por isso, veja aqui os 3 grandes sensos de qualidade que um freelancer em início de carreira precisa ter em mente, que chamamos de Os Três Sensos:

1 – Senso de Realidade

O senso de realidade serve para que o sonho esteja embasado no terreno firme da análise dos diversos mercados a que se destinam as atividades do freelancer. Essa é uma das bases para ser um freelancer de sucesso.

2 – Senso de Oportunismo

O senso de oportunismo faz o freelancer reconhecer o momento certo de oferecer serviços ao cliente adequado por vias certeiras.

3 – Senso de Determinação

O senso de determinação é crucial. O freelancer vai precisar dele em todos os momentos de sua carreira, mais especialmente nos anos iniciais.

Agora, antes que você veja o próximo tópico, com dicas importantíssimas para você se tornar um freelancer de sucesso (a quarta dica é a mais incrível), veja alguns outros artigos relacionados:

1 – Programa de afiliados: como ganhar dinheiro com ele

2 – Liberdade de tempo e espaço: dicas de como conseguir

3 – Descubra 10 profissões da era digital

Dicas de como ser um freelancer de sucesso

Profissionais já experientes destacam motivos fortes para seu sucesso. Seguem abaixo as dicas de como ser freelancer na internet.

1 – Home Office

Determine um espaço de sua casa mais ou menos isolado para converter em escritório. Compartilhar cômodos residenciais atrapalha a concentração e exclui o caráter de trabalho, de atividade profissional. Procure ambiente interno menos passível de barulho e de interrupções.

2 – Equipamentos

Certamente, este item depende de suas atividades, mas a maioria dos freelancers trabalha via internet. Adquira equipamentos (banda larga, computador, impressora, escaneador, etc.) e acessórios (aplicativos e ferramentas virtuais) compatíveis com a demanda que espera ter. Não é saudável justificar atrasos por causa de conexão ruim ou falha no aplicativo de mensagens instantâneas, por exemplo.

3 – Cadastro em grupos afins

Atualmente, há dezenas de sites que oferecem serviços de intermediação para freelancers. Muitos, inclusive, asseguram recebimento do valor acordado. Mesmo as redes sociais estão repletas de páginas específicas para profissionais. O problema, neste caso, é que não há certeza de negociação firme. O que vai contar é a experiência do freelancer em criar ambiente de confiança.

4 – Oferecimento massivo

O mercado precisa saber que você está ativo. A melhor maneira de conseguir isso é oferecer seus serviços ao maior número possível de projetos.

Freelancer: trabalho, experiência e satisfação constantes

Há casos de freelancers que conseguiram o primeiro trabalho nesta condição depois de 100, 120 ofertas. Tanto sites como redes sociais dispõem de mecanismos para que o cliente avalie comportamento e nível técnico do trabalho freelancer. Quanto mais ativo você se mostrar ao mercado, mais o mercado perceberá sua existência.

5 – Valorização adequada: quanto ganha um freelancer?

Uma das falhas mais marcantes do profissional em início de carreira como freelancer é se equivocar no momento de indicar o valor de seu trabalho. Após dezenas de recusas, passa a diminuir o valor a fim de atrair clientes. O problema de oferecer valores muito abaixo do mercado e do que vale o trabalho é condição que se tatua na imagem do profissional e afasta bons clientes.

Bons clientes reconhecem o valor do bom trabalho. Para descobrir o valor ideal de seu trabalho freelancer, siga este cálculo simples:

  • Identifique o valor (A) que pretende obter com seu trabalho (sugere-se que inicie com valor baixo e vá aumentando à medida que for adquirindo experiência)
  • Identifique a quantidade de horas por dia (B) que pretende dispor para seu trabalho
  • Identifique a quantidade de dias no mês (C) de que dispõe
  • Multiplique B por C
  • Divida A pelo produto da multiplicação
  • O resultado é o valor médio de uma hora de seu trabalho
  • Ao analisar um projeto, identifique a quantidade de horas de que precisará para desenvolvê-lo. Multiplique pelo valor médio hora

    6 – Disponibilidade além dos horários normais

Todo cliente tem dúvidas, e todas as dúvidas precisam ser quebradas. E nem todos os clientes esperam o horário comercial para procurar um bom freelancer. Assim, mantenha seu status em redes sociais e aplicativos sempre no modo disponível, inclusive em fins de semana. Sim… é isso. Trabalho de freelancer em fins de semana é comum, afinal, este profissional é também vendedor – no caso, de seu próprio produto. Certamente você não conhece um vendedor que recuse negociação em fim de semana.

7 – Voluntariado na medida certa

Habitue-se a fazer um ou outro serviço para associações, ONGs, instituições sociais e afins. Além de fazer bem ao ego e à autoestima, é uma excelente estratégia para manter sua imagem ativa fora do âmbito comercial e seu nome lembrado por clientes em potencial.

Aqui, deixamos um vídeo com mais algumas dicas de como você pode ser um freelancer de sucesso. E aí? Topa dar uma olhadinha?

Bem, esperamos que você tenha gostado deste conteúdo, e, se isso for um fato, compartilhe com seus amigos. Se ficou alguma dúvida, deixe seu comentário mais abaixo, porque nós do Vida de Freesider estaremos aqui para resolver o que for preciso.