Você já ouviu falar muito sobre qualidade de vida. A internet é rica em textos sobre como alcançá-la; já deve ter participado de palestras e workshops a respeito.

Certamente você já viu filmes no Youtube (sugerimos que você fique até o final para que veja um vídeo incrível de Como ter liberdade financeira e qualidade de vida, de Fagner Borges e o Roberto Navarro). Mas fica uma pergunta: o que realmente é qualidade de vida? Técnicos, especialistas e OMS explicam. Veja abaixo.

qualidade de vida
Qualidade de vida depende de comportamento pessoal que pode ser entendido e resolvido…

A rotina atual dos humanos é tensa. Vibrante, mas tensa. É estressante especialmente nos grandes centros urbanos em que a pressão social parece ter força gravitacional cem vezes maior que a gravidade do planeta.

Atualmente, mesmo na área rural, o dia a dia oferece alguma espécie de pressão, de tensão. Seja na espera por chuva, seja na instituição bancária que quer receber a parcela mensal do empréstimo, seja na postura firme do atravessador que quer pagar menos, há sempre um desnível forte entre rotina e saúde.

Há uma infinidade de sugestões a serem seguidas:

  • Esporte: vida esportiva contra sedentarismo
  • Yoga: tranquilidade e espiritualidade contra estresse
  • Psicanálise: processos técnicos acadêmicos a favor de condição de vida
  • Química: é possível encontrar remédios antiestresse e suplementos alimentares
  • Palestras e workshops: experiências de terceiros podem ajudar na melhoria

Por mais que se faça, parece que a tal situação adequada está sempre longe do alcance da gente. Talvez porque, antes de sair aplicando ideias sobre melhoria de qualidade devida, seja necessário saber…

O que é qualidade de vida?

Ao se ouvir o termo, imagina-se imediatamente boa vida, boa saúde, boas condições de vida. Em verdade, tudo isso deveria estar associado à boa qualidade de vida e não à qualidade de vida propriamente dita.

Parece bobeira, mas isso é motivo para confusão de assimilação do conceito. “Qualidade de alguma coisa” é o conjunto de características dessa coisa.

  • Uma bola de futebol mal feita tem a qualidade de função defeituosa, mas tem qualidade de função
  • Um remédio inócuo tem qualidade de objetivo ineficiente, mas tem qualidade de objetivo
  • Um celular que não funciona tem qualidade… negativa, ruim, criticável… mas, ainda assim, tem qualidade

Eis o caso… a ideia em si não significa coisa necessariamente boa.

qualidade de vida 2
Qualidade de vida pode ser boa ou má
  • Alguém que trabalhe o dia inteiro sentado e, ao chegar em casa, permanece por horas diante da TV tem qualidade de vida. Ruim, mas tem.
  • Alguém que necessita de 10, 15 títulos de remédios diários tem qualidade de vida. Deficitária, mas tem.
  • Motoristas que passem 10 horas por dia no trânsito das cidades de S. Paulo ou de Nova Iorque ou Tóquio têm qualidade de vida tendente a sérios problemas cardiovasculares, ou seja, péssima.

Neste caso, qualidade de vida é a maneira como uma pessoa opta por viver ou é obrigada a levar a vida. Essa qualidade pode ser boa ou má. Depois de ler este texto, responda a esse interessante questionário sobre sua saúde mental e física. Você vai perceber que saúde e comportamento são ideias interligadas.

Qualidade de vida no dia a dia

Qualidade de vida tornou-se rapidamente um termo de moda, mas confusões sobre o que realmente significa podem gerar graves consequências de acordo com algumas pesquisas recentes.

Antes, era termo amplamente utilizado por profissionais de saúde. Agora, todo mundo – de economistas e executivos de propaganda – preocupa-se em oferecer boa qualidade de vida.

Em um artigo para a Revista de Psicologia da Europa, Marta Elvira, do Iese Business School, tenta esboçar esse conceito. Como os avanços médicos ajudaram a aumentar a longevidade, o foco mudou da quantidade para qualidade de vida.

Enquanto cientistas podem recorrer a escalas de avaliação para medir dor ou sistemas de pontuação para quantificar deficiências, especialistas acreditam que tentar medir “qualidade de vida” dessa forma podem estar indo longe demais.

qualidade de vida 3 - mulheres felizes
O termo qualidade de vida se tornou moda, antes era termo amplamente utilizado por profissionais de saúde.

“Qualidade de vida” é subjetiva e multidimensional; engloba aspectos positivos e negativos da vida. É uma condição dinâmica que responde a eventos da vida: perda de emprego, doença ou outros transtornos podem mudar a definição de “qualidade de vida” de uma forma rápida e dramática.

Assim, qualidade de vida é a maneira como você leva a vida, como você a encara, como você se posiciona física e psicologicamente no dia a dia. Se é boa ou má, depende de você. Ou seja: é conceito completamente pessoal.

Um dos grandes entraves para boa qualidade de vida são os vícios do dia a dia.

Ok… certo… concordo. Mas eu não tenho vícios.

Será que não?

Agora, antes de você seguir para o próximo tópico, nós que fazemos o Vida de Freesider, entendemos que qualidade de vida também é a prática esportiva. Então, dê uma olhada nestes artigos falando sobre isso:

1 – Conheça agora os melhores esportes radicais individuais

2 – Descubra tudo o que precisa saber sobre escalada esportiva

3 – Descubra as melhores dicas de kitesurf para iniciantes

O que são vícios?

Claro… você sabe o que são vícios. Quase todo mundo sabe.

Vícios são hábitos de comportamento que, de uma ou de outra forma, atrapalham o desenvolvimento pessoal e profissional de uma pessoa. Para psicólogos, enquanto não atravanca a rotina das pessoas, um comportamento não é considerado vício.

qualidade de vida - homem fumando - vício
Comportamento reconhecido como vício afeta qualidade de vida

Assim, quando uma pessoa interrompe uma atividade produtiva para satisfazer uma necessidade qualquer – que poderia esperar um pouco mais -, essa necessidade é considerada vício.

Mas não estamos falando daqueles clássicos, dos evidentes. Falamos daqueles escondidos no dia a dia, nos hábitos, nos costumes, aqueles que estão tão arraigados na rotina que passam ocultos.

  • Trabalho excessivo

Você não precisa parar de trabalhar… e certamente nem pode. Mas ainda é cultural em muitos países a noção de que honra e responsabilidade estejam associadas a excesso de trabalho e não simplesmente a trabalho.

A França acaba de baixar lei que restringe uso de celular, SMS, e-mails corporativos fora do horário de expediente. Certamente, os motivos para esta lei baseiam-se na preocupação com excesso de trabalho e qualidade de vida.

Necessidade impulsiva de estar conectado. Trata-se de distúrbio catalogado recentemente, mas que tem já afetado muita gente no mundo inteiro.

Menina usando celular - vício
Há vícios que até parece bonitinhos, mas que destroem a boa qualidade de vida
  • Concorrencionismo

O termo em si não existe. Ainda! Mas já é discutido em palestras inspiracionais – não exatamente motivacionais. Trata-se de fenômeno social das grandes cidades, especialmente as de economias mais abundantes e expressivas, que torna o colaborador de uma empresa um polo constante de concorrência com colegas, com amigos, com parceiros; obriga empresas a estarem sempre no topo da pirâmide do mercado.

Quando não acompanhado por métodos eficazes, pode significar grande perda de qualidade de vida.

  • Procrastinação

Já tivemos chance de discutir com você aqui sobre procrastinação. Trata-se de um dos vícios mais destruidores da qualidade de vida de qualquer pessoa, seja colaborador de empresa ou empreendedor nato.

  • Presenteísmo

É fenômeno largamente estudado por profissionais de RH. Trata-se do vício de desconcentração mental de alguma atividade. Ou seja: pode-se estar presente fisicamente em uma atividade – laboral ou pessoal – e não produzir ação necessária para desincumbência da tarefa.

qualidade de vida - presenteismo
Totalmente diferente desta mulher, que está 100% concentrada em alguma atividade

O sentido de inutilidade que abraça uma pessoa presenteísta afeta sua qualidade de vida.

“Desviciar” para ter qualidade de vida

Portanto, sendo os vícios ocultos de comportamento entraves para boa qualidade de vida, o ideal é se “desviciar” para atingir saúde mental e física, adquirir conjunto de atitudes para boa qualidade de vida.

Mas como?

  • Força de vontade

Há uma força dentro de cada um que é exercida somente em momentos de perigo. É possível usá-la para se “desviciar” do comportamento mencionado acima.

  • Descoberta de Potencial

Aquela força de vontade é caminho para descoberta de potencial inerente a cada ser humano. Todos temos condições de atingir limites e até de ultrapassá-los.

  • Autoanálise

Ninguém conhece você mais que você mesmo. Somente sua história é capaz de mostrar aquela força de vontade e aquele potencial. Analise seu comportamento diário e descubra sua maneira de enfrentar a si mesmo para chegar à boa qualidade de vida.

  • Elementos Naturais

Mantenha contato com a natureza. Pode ser por meio de um animal de estimação, plantas, passeios ao ar livre, qualquer ação que tire você da pressão social.

Alimente-se de forma também natural, diminuindo presença de enlatados e industrializados em sua mesa. Isso faz uma diferença enorme.

Qualidade de vida é condição pessoal, como já mencionamos. Isso não significa que tal condição não possa ser discutida, avaliada, alterada, transformada.

Quem busca sucesso está sempre em contato com limites de capacidade. Entretanto, é plenamente possível alcançar sucesso com qualidade de vida adequada. Afinal, de que adiantaria chegar ao sucesso sem a saúde apropriada para desfrutar dele? Nada! Portanto, modifique-se!

Agora, a palestra de que haviamos prometido no início do texto com Roberto Navarro, consultor financeiro, e Fagner Borges, criador do Movimento Freesider: