Descubra se você é viciado em trabalho e como isso pode estar afetando sua saúde e produtividade
Vote neste post

“Deus ajuda quem cedo madruga”. Com certeza, essa frase já foi repetida exaustivamente nas mesas de café da manhã de diversas famílias. E é perfeitamente compreensível que essa ideia seja transferida, no decorrer das gerações.

Levantar cedo para trabalhar e cumprir os compromissos diários, é bastante admirável. No entanto, essa qualidade se torna nula quando a pessoa permanece por horas no seu trabalho, chegando, inclusive, a adentrar na noite e madrugada.

Trabalhar por longas horas costumava ser um hábito valorizado, digno de reconhecimento  até que fossem divulgadas as inúmeras consequências negativas na vida de um viciado em trabalho, como a depressão no trabalho.

viciado em trabalho
Vício no trabalho? Cuidado… isso pode prejudicar sua saúde, e sem dúvidas, isso está prejudicando sua produtividade.

Existem determinadas terminologias que são empregadas de maneira errada no cotidiano. Um exemplo claro disso é a pessoa que acredita que a expressão workaholic é um elogio.

Fazendo uma rápida análise da expressão inglesa, chegamos à sua tradução: viciado em trabalho. Ora, se a palavra “vício” remete a um hábito de autossabotagem, como é que poderia ser boa nessa situação?

Exatamente! Estar viciado em trabalho não só faz mal para sua saúde, como diminui, consideravelmente, sua produção.

Outro grande problema, é a depressão causada pelo trabalho.

Características de um viciado em trabalho

É claro que trabalhar é necessário. Não só pelas questões financeiras, mas também pela satisfação pessoal.

Sentir-se útil gera bem-estar. No entanto, quando o limite dessa utilidade é ultrapassado e o esforço começa a alcançar níveis perigosos, é hora de dar uma pausa para a reflexão.

A Universidade de Bengen, na Noruega, encontrou uma relação entre o workalismo e outros distúrbios psiquiátricos, como transtorno obsessivo compulsivo (TOC), depressão no trabalho e ansiedade.

Se baseando nessas correlações, eles criaram uma espécie de questionário conciso, mas de muita abrangência: A escala de Bergen.

Ela conta com sete observações que identificam um viciado em trabalho, bastando apenas que se responda “nunca”, “raramente”, “às vezes”, “frequentemente” e “sempre”.

As respostas “frequentemente” e “sempre”, respondidas na maioria dos quesitos, levantam a bandeira vermelha, indicando que é hora de pisar no freio. Vamos a elas?

  •         Pensa em como pode conseguir mais tempo para trabalhar
  •         Passa muito mais tempo trabalhando do que pretendia originalmente
  •         Trabalha para reduzir sentimento como a culpa, a ansiedade, o desespero e a depressão
  •         Já ouviu de terceiros que precisa diminuir a carga de trabalho
  •         Fica estressado se não consegue trabalhar
  •         Sacrifica hobbies, lazer e exercício por causa do trabalho
  •         Trabalha tanto que isso afeta sua saúde

É comum, vez ou outra, estender a carga horária de trabalho para finalizar um projeto e atingir as metas empresariais. No entanto, se isso acontece com frequência, as consequências vão de pequenos problemas de saúde, até a morte.

Soa até como exagero, mas isso aconteceu mesmo com o jovem estagiário alemão Moritz Erhardt. O funcionário teria morrido após uma jornada de 72 horas ininterruptas de trabalho, segundo seus colegas.

Também aconteceu com o trabalhador Kenji Hamada, que faleceu aos 42 anos de idade, vítima de um ataque cardíaco gerado pela jornada excessiva.

Inclusive, no ano de 2016, o governo japonês disse que um quinto da força de trabalho do país, pode morrer por excesso de trabalho.

O vício em trabalho ou workaholismo não consta na CID (Classificação Internacional de Doenças), e nem no Manual de Distúrbios Mentais da Associação Americana de Psiquiatria, mas é trabalhado com seriedade por diversos profissionais da área da psicologia e psiquiatria, que têm seus consultórios lotados por pessoas com depressão causada pelo trabalho.

Uma pesquisa realizada em 2011 pelo ISMA (International Stress Management Association), mostrou que o workaholic tem 65% mais chances de desenvolver doenças cardíacas do que as outras pessoas.

Segundo a doutora em psicologia e presidente do ISMA-BR, Ana Maria Rossi, 70% dos brasileiros sofrem de estresse e depressão no trabalho.

“Por negligência com a saúde em função do vício em trabalho, muitos dos meus pacientes apresentam taxas altíssimas de glicose no sangue e registros de pressão alta. O estilo de vida do workaholic fica muito comprometido. Ele se torna sedentário. Come no próprio trabalho comida altamente gordurosa e pouco nutritiva. E isso leva a doenças”, afirma.

É cultural acreditar que trabalhar em ritmo acelerado e contínuo, por horas, é o correto. Não podemos culpar quem aprendeu a ser assim, mas nunca é tarde para mudar hábitos que visam um melhor desempenho e aumento de qualidade de vida.

O descanso é fundamental para uma melhor produtividade. Se você quer ganhar mais, deve trabalhar menos. Procurar formas de gerar maiores resultados em menor tempo, pode ser uma solução.

O viciado em trabalho está nas telonas e nas telinhas

A depressão causada pelo trabalho ganha espaço na sétima arte e em programas e séries. Listamos aqui 10 opções interessantes, que merecem atenção.

Que tal dar uma pausa no trabalho para conferir algumas delas?

  1.    O Diabo veste Prada
  2.    Sociedade dos Poetas Mortos
  3.    Rockstar
  4.    House
  5.    Click
  6.    Kramer vs. Kramer
  7.    Uma Mente Brilhante
  8.    Um Senhor Estagiário
  9.    Mentes Perigosas
  10.   Nos Bastidores da Notícia

Por onde começar um tratamento

Por se tratar de workaholismo, vale lembrar que as raízes da questão podem ser muito mais profundas do que, apenas, atingir boas metas.

O ideal é que se procure auxílio psicológico. É preciso banir o preconceito com os profissionais dessa área, e compreender a qualidade de vida que se pode ter com a ajuda desse especialista.

Em um segundo momento, criar o hábito de, ao menos duas vezes por semana, fazer algo que realmente goste ou gostava antes de ser viciado em trabalho. Pode começar com pequenas coisas. A satisfação gerada por elas, vai afastar a depressão causada pelo trabalho e fazer lembrar o quanto é bom equilibrar a vida profissional com a vida social.

Separar o próximo final de semana para descansar – eu sei, parece loucura – e chamar os amigos, reunir a família. Fazer um belo churrasco, se divertir, ouvir as músicas preferidas.

A ideia ainda não parece um bom caminho?

Viva o ócio!

Calma! Não é uma apologia ao abandono do trabalho, para passar o dia deitado. O fato aqui citado, é o de que a ciência começou a compreender o descanso de outra forma.

pessoas sorrindo
Descansar alguns momentos durante o dia pode turbinar sua produtividade

O ócio começa a deixar o palco dos pecados capitais, para ganhar o status de “necessário”. Em pequenas doses, verdade. Porém, necessário.

A natureza sabe tudo. O corpo dá sinais de exaustão, principalmente quando a preguiça se instala.  O total repouso melhora a concentração, a corrente sanguínea, melhora a visão, eleva a autoestima e melhora a produtividade.

E produtividade em alta, é sinal de lucros!

Como melhorar a produtividade?

É claro que não existe uma receita de bolo para ser dada a todo mundo que é viciado em trabalho, porém, algumas dicas básicas costumam trazer excelentes resultados.

1 – Planejamento

A mente humana precisa do raciocínio lógico para exercer suas funções. Começar o seu dia de trabalho, sendo empurrado para o lado que mais necessita de sua atenção, vai tornar seu trabalho improdutivo e você pode chegar até a depressão.

E, como se sabe, o afastamento do trabalho por depressão, pode deprimir mais ainda. Fuja dessa armadilha!

Planeje seus afazeres, coloque prioridades, anote prazos e estabeleça uma rotina que te permitirá trabalhar bem, mas sem excesso. Só essa primeira dica, já vai melhorar sua disposição.

2 – Pisca!

Uma pessoa que está em repouso, costuma piscar cerca de dez vezes por minuto. Quando essa pessoa começa a ler, ou a trabalhar no computador, o número de piscadas reduzem para três vezes por minuto.

Manter os olhos umedecidos é o que traz conforto a eles. Olhos secos causam o cansaço visual que, muitas vezes, evolui para um desconforto mental.

Portanto, se precisa ler para trabalhar, não há muito o que se possa mudar. Mas se durante o dia, der aquela vontade de fechar os olhos por quinze minutos, faça! Os benefícios serão imensos.

3 – Concentração

Com essa onda de redes sociais, acesso rápido às mesmas, e colegas comentando o que viram nelas, perder o foco durante o trabalho se tornou bem comum.

Procure não sair do momento. Se for necessário, coloque pequenas metas, como: “Quando eu terminar essas planilhas, vou me esticar e tomar sol por 10 minutos”.

Essas pequenas metas vão te auxiliar na busca pela concentração.

Tome como exemplo a Lei de Parkinson. Ela diz, resumidamente, que demoramos o tempo que determinamos para fazer algo. Ou seja, se você pretende escrever um livro em um mês, então você o fará. Se não colocar nenhum prazo, então, você pode nunca concluí-lo ou demorar até mesmo anos.

5 – Pare e respire

A verdade é que as pessoas só respiram, porque é um mecanismo natural, não é verdade? É tanta correria, que ninguém lembra de algo tão necessário.

E olha que nem estou falando da própria sobrevivência, e sim do desgaste físico que o corpo sente, quando a oxigenação no cérebro não se dá por completa.

Vez ou outra, o ideal é parar por alguns minutos e prestar atenção no ar que entra, chega ao cérebro, e sai. A respiração tem efeito poderoso no cotidiano.

6 – Atenção na circulação

A má circulação gerada por horas a fio sentado, causa dores e indisposição.

Segundo Alexandre Nicastro Filho, angiologista e cirurgião vascular e endovascular, “Isso acontece porque a circulação venosa dos membros inferiores é dificultada pela gravidade e a falta de movimentação muscular. O resultado é a dilatação dos vasos, acentuando a estafa”.

O ideal é que, periodicamente, o profissional se levante e faça um pequeno alongamento. Dedos, mãos, braços, ombros, pescoço e coluna. Isso não vai levar mais do que cinco minutos.

O mesmo vale para as pernas, que podem ganhar um descanso melhor quando repousadas em cima de um travesseiro, na hora de dormir.

7 – Seja dono do seu tempo

Procurar opções que ajudem a administrar melhor o tempo, como por exemplo, conseguir um acordo com a empresa, predeterminando horários. É uma ótima maneira de evitar o afastamento do trabalho por depressão.

Isso porque muitos empreendedores já perceberam que não fazer com que seu funcionário seja um escravo do relógio, aumentou a produtividade da empresa.

Existem, atualmente, empresas que disponibilizam para seus funcionários, uma acomodação apenas para dormir por 15 minutos após o almoço.

Como isso ainda é uma realidade um pouco paralela a do Brasil, uma outra opção vem com força total e ganhando cada vez mais adeptos: Trabalhar na internet.

Internet – O promissor campo da liberdade

Já pensou em trabalhar na sua casa, gerando altos lucros, em horários determinados por você? Pois é, essa realidade está bem mais próxima do que parece e pode gerar a qualidade de vida tão almejada por todos.

como trabalhar na internet
Trabalhar na internet deixou de ser algo impossível.

Hoje em dia, com os avanços da tecnologia, trabalhar sem sair de casa é a realidade de muita gente.

Os caminhos para chegar à estabilidade financeira, através da internet, são muitos, dentre eles citamos o mercado de afiliados:

Rede de afiliados

Esse tipo de serviço pode ser muito rentável. O programa funciona quando um afiliado, previamente cadastrado, envia visitantes para as páginas às quais se afiliou.

Se esse visitante realizar compras, através da sua “indicação”, você ganha comissões que podem chegar a 80% em algumas redes. Isso porque, os custos para a produção é consideravelmente menor do que o mercado físico.

Para isso, você pode utilizar um blog ou site. Mas lembre-se sempre de dar devida atenção ao número de visitantes. Invista em conteúdo interessante!

Você pode procurar empresas como a Lomadee e UOL, que trabalham seriamente com afiliados.

Outra opção, é buscar parceiros comerciais que trabalhem com produtos que se relacionem com os temas abordados em seu blog, aumentando ainda mais as chances de vendas.

Busque informações, leia, estude e não esqueça: Você pode!

“Para se ter sucesso, é necessário amar de verdade o que se faz. Caso contrário, levando em conta apenas o lado racional, você simplesmente desiste. É o que acontece com a maioria das pessoas”.    Steve Jobs

Gostou das nossas dicas? Conta aqui para nós o que pretende fazer a partir delas! Tente colocá-las em prática e volta aqui nos contar como está sendo sua experiência! É muito importante sabermos que nossos textos, ajudam!

Baixe o livro gratuito “5 Atitudes para Liberdade”, clicando na imagem abaixo: